domingo, 28 de junho de 2015

JJ. Cale and Leon Russell – Sensitive Kind

Don't take her for granted, she has a hard time
Don't misunderstand her or play with her mind
Treat her so gently, it will pay you in time
You've got to know she's the sensitive kind...

A relação do humor e do emocional com o inconsciente e... a imaturidade

Em conversa, a propósito do seu livro/ biografia " Ora, como eu dizia.....", com Ricardo Araújo Pereira( autor do prefácio), publicada na revista Visão  de 25 de Junho, Jonh Cleese afirma que,



 Protagonizada por  Jonh Cleese , uma das cenas absurdas,imaturas,  dos Monty Python que me faz chorar de tanto rir, óptimo antídoto  para quando o estado de ânimo está "descaido".... 

terça-feira, 16 de junho de 2015

António Zambujo - Jogo de sedução

 Comove, emociona, que enorme intérprete! 


Poema: Mário Rainho
Música: Armando Machado - Fado Maria Rita
Ilustração: Fado de Lisboa de Pedro Charters d' Azevedo (acrílico sobre tela)

Jogo de Sedução

Naquele tempo nós dois
Tínhamos manhãs de sois
Dias tristes eram poucos
Nessa era adolescente
Éramos 'dez reis' de gente
Mas completamente loucos
Enquanto no céu bailavam
Andorinhas que chegavam
Antecedendo o verão
Nós descuidados brincando
Sem querer íamos jogando
Um jogo de sedução
Entre beijos escondidos
E desejos proibidos
Como fosse fogo posto
Pelas minhas graças mais tolas
Ramalhetes de papoilas
Vinham pousar em teu rosto
Que memoria, que loucura
Me transporta hoje à lonjura
De verdes campos, lençóis
Deixai-me sombras de infância
Contar a esta distancia
Naquele tempo, nós dois...

sábado, 13 de junho de 2015

Quem diria!


 Eu , do Minho natural, encontrei esta imagem, publicada  na revista Sábado de hoje,  que relata sucintamente a primeira edição  das Marchas Populares de Santo António de Lisboa.   

 Aproveito  para mostrar  um  tema tradcional da minha terra onde,  além da melodia e do intrumental, destaco as quadras que são cantadas, a afinação( aconselho o uso de auscultadores) e as imagens de alguns dos trajes regionais minhotos. Ah! e a alegria é tão óbvia, que só não sente quem não quer. 

quarta-feira, 10 de junho de 2015



"Sócrates não é um preso político , é um político preso."
( Ana Sá Lopes - editorial do Jornal I)

O prisioneiro 44 recusou legitimamente a alteração, proposta pelo M.P., da medida de coacção a que tem estado sujeito. Não aceitou ir para casa com pulseira electrónica.


Qualquer cidadão português tem, nos termos da lei, o mesmo direito.

Facto é que o antigo primeiro-ministro recusou ANTECIPADAMENTE a alteração da medida de coacção por CARTA DIFUNDIDA PELOS MEDIA . A missiva do prisioneiro 44 vende, gera polémica, discussão e audiências. Por isso pôde pressionar a Justiça(???!) , por ser figura pública e ter ocupado um alto cargo político. Usou e abusou desse estatuto. Este procedimento ,a sua permissão e divulgação são, em democracia , eticamente reprováveis sob todos os aspectos.

Se um cidadão anónimo , nas mesmas condições, tivesse tal pretensão, a carta que escrevesse nem saíria da prisão ou, se tal acontecesse, ficaria, até à próxima limpeza, na" gaveta dos ignorados". Para a comunicação social , salvo raríssimas excepções conscientes, qualquer português que não "venda" é apenas isso, ou seja: ninguém.

Os crimes de colarinho branco são difíceis de provar, sempre foram e o avanço da novas tecnologias é uma faca de dois gumes.

A justiça em Portugal é IGUALMENTE lenta para todos os portugueses (quantos estarão presos preventivamente há mais de seis meses?). O prisioneiro 44 queixa-se disso agora e parece querer acelerá-la, especialmente para si, pressionando , usando da influência e da importância que muitos portugueses ainda lhe dão. Esquecem-se de que , para ele, foram importantes apenas aqueles que lhe permitiram atingir os seus fins. Então como agora serve-se de todos os meios ao seu alcance.

A intimidação e a permissividade retiram nitidez à democracia .

Hoje celebra-se o dia de Portugal e gosto de ser portuguesa. Apesar de tudo o meu país é livre, mas não tanto quanto gostaria que fosse. A tradição existe, mas já não é a mesma coisa.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Leonard Bernstein: Young People's Concerts | What is Melody? (Part 1 of 4)

"You see, people usually think of a melody as a tune, something you go out whistling, that's easy to remember, that "sticks in your mind." What's more, a tune almost never goes out of the range of the normal human singing voice - that is, too high or too low. Nor should a tune have phrases that last longer than a single normal breath in singing it. After all, melody is the singing side of music, just as rhythm is the dancing side. But the most important thing about a tune is that usually it is complete in itself — that is, it seems to have a beginning, middle and end, and leaves you feeling satisfied — in other words, it's a song, like Gershwin's Summertime, or Schubert's Serenade. "
More in http://www.leonardbernstein.com/ypc_script_what_is_melody.htm