sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Manuel M. Veiga- Serenidade/ Blues / "Minha já antiga"( Parte I e II) & Poema "Sem título"

Descobri este compositor e pianista há dias , não sei bem como ... navegando , "surfando"  nestes mares virtuais, que tantas surpresas me trazem... Ontem percebi que o  homem que assim faz músicas  e as toca ao piano , também escreve poemas...
Escolhi uma composição de que não sei bem o nome, um vídeo quase sem imagens, e um poema sem titulo.
"Do fundo da Alma,(...) sentir só".
Encantada. 





Sem título


Da concentração no negativo.

Da folha da árvore a cair, que nem se vê…

Do chão, pisado e triste, que traz em si todo o peso do mundo.

Do fundo da alma, do encontro com o deus interior.

Do amor, que nos aborda sereno, e serenamente se vai enroscando.

Todas estas coisas e outras mais pensei hoje.

Porque hoje foi daqueles dias em que é preferível não falar, não dizer, sentir só, correr os riscos todos de não se ser entendido.

Momentos em que o nosso norte se sente perdido.

Mas temos a certeza que o estamos a ver bem, com a lucidez simples de uma mãe.

Sempre à procura de uma razão para tudo,

Sempre qualquer coisa está a menos, qualquer coisa falta, sempre,

Sempre o problema da complicação de descomplicar.

A necessidade de ver a simples beleza, de procurar o universo estético num simples paladar.

Sem problema de espécie alguma, afinal, porque tudo se torna realisticamente pequeno.

Como o corredor do veneno, o sangue corre sem se preocupar.

A cabeça foge do lugar,

Espera encontrar o norte perdido,

Embora silenciosamente anseie por se perder.


Manuel M. Veiga.
20 de Janeiro de 2015

https://www.facebook.com/pages/Manuel-M-Veiga
Piano. Palavra. Côr. Momento. Improviso.

Rui Veloso- Sexta-Feira Nem Que Chova

sábado, 17 de janeiro de 2015

"Suzhou Nocturne"- Ann Sally

"Edited jazz singer Ann Sally put the full pathos of the melody of Suzhou's nocturne. There is also China's largest town City of world heritage, historic landscapes and riverside district of Suzhou, the Venice of the East praise. Hiromi Kinubari photographer"

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

PIAZZOLLA - CAFE 1930

"Estou a ouvir e pergunto-me qual dos nossos olhares é a viola e qual o contrabaixo. Esta música é um diálogo de olhares."
 
Contrabaixo : Andrés Martin.
Viola: Jorge dese Saltillo(?)

domingo, 11 de janeiro de 2015

A Rã - João Donato - Samba Jazz

 
 A música tem este poder de nos fazer sentir , pensar... dá-nos alma .
 Ao mesmo tempo nós  transmitimos, através da música, o que nos vai na alma...

 Que coisa fantástica , esta, que o Homem criou!
 

Hoje preciso de ritmo, balanço, alegria.
João Donato, no teclado, dedilhando a Rã.
Jazz+ samba.... Ui!!
LCB


quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

CARMEN SOUZA & THEO PAS'CAL | SOUS LE CIEL DE PARIS

Sentido.
Pelas vítimas do atentado terrorista ocorrido ontem em Paris.
Original de Edite Piaf



Sous le ciel de Paris
S'envole une chanson
Hum Hum
Elle est née d'aujourd'hui
Dans le cœur d'un garçon
Sous le ciel de Paris
Marchent des amoureux
Hum Hum
Leur bonheur se construit
Sur un air fait pour eux

Under the sky of Paris
A song escapes
Hum hum
It was just invented today
In the heart of a young man
Under the sky of Paris
Lovers are walking
Hum hum
Their happiness being fashioned
On a melody made just for them

Sous le pont de Bercy
Un philosophe assis
Deux musiciens quelques badauds
Puis les gens par milliers
Sous le ciel de Paris
Jusqu'au soir vont chanter
Hum Hum
L'hymne d'un peuple épris
De sa vieille cité

Under the Bercy bridge
A philosopher sits
Two musicians, a few loafers
And then thousands of people
Under the sky of Paris
They will be singing until night falls
Hum hum
The song of a people in love
With their old city.

Près de Notre Dame
Parfois couve un drame
Oui mais à Paname
Tout peut s'arranger
Quelques rayons
Du ciel d'été
L'accordéon
D'un marinier
L'espoir fleurit
Au ciel de Paris

Close to Notre Dame (large church in Paris)
Sometimes a drama is smouldering
Sure, but in Paname ( a nickname for Paris)
There are no problems
A few sun rays
From the summer sky
An accordeon
Played by a sailor
Hope springs again
Under the sky of Paris

Sous le ciel de Paris
Coule un fleuve joyeux
Hum Hum
Il endort dans la nuit
Les clochards et les gueux
Sous le ciel de Paris
Les oiseaux du Bon Dieu
Hum Hum
Viennent du monde entier
Pour bavarder entre eux

Under the sky of Paris
Runs a happy river
Hum hum
During the night it lulls to sleep
The poor people of the street
Under the sky of Paris
God's birds
Hum hum
Come from all around the world
To have a chat

Et le ciel de Paris
A son secret pour lui
Depuis vingt siècles il est épris
De notre Ile Saint Louis
Quand elle lui sourit
Il met son habit bleu
Hum Hum
Quand il pleut sur Paris
C'est qu'il est malheureux
Quand il est trop jaloux
De ses millions d'amants
Hum Hum
Il fait gronder sur nous
Son tonnerr' éclatant
Mais le ciel de Paris
N'est pas longtemps cruel
Hum Hum
Pour se fair' pardonner
Il offre un arc en ciel

And the sky of Paris
Has its own secret
For 20 centuries it has been in love
With our Saint-Louis Island (an island in the Seine river)
When the island smiles at it
The sky puts on its blue suit
Hum hum
When it rains on Paris
It means the sky is sad
Because it is jealous
Of the island's millions of lovers
Hum hum
It roars over us
Its thunderous sounds
But the sky of Paris
Is never cruel for long
To beg our forgiveness
It offers us a rainbow

Joseph Pilates. Wall Unit (Historic video)


 Joseph Pilates executando exercícios na  prancha de molas , aparelho que,  tal como outros , foi idealizado pelo próprio.
Este vídeo deve  ter sido realizado  por volta  de 1940... não sei ao certo a data. 


 Hoje  ( com variações/ evoluções):

Entre pedras, palavras...

Que estupidez o sangue nas calçadas!
O sangue fez-se para ter dois olhos,
um lépido pé, um braço agente,
uma industriosa mão tocante.
Que estupidez o sangue entre as palavras!
O sangue fez-se para outras flores
menos fáceis de dizer que estas
agora derramadas.



Alexandre O´NeillPoesias Completas
1951/1981